Tailer, página 100!

Hoje é um dia muito feliz para este autor independente de histórias em quadrinhos. Acabei de publicar a página de número 100 da minha webcomic Tailer!

Chegar até a centésima página é um feito para mim, pois já tive meus momentos de desanimo onde quis desistir de desenhar esta série e cheguei até ao extremo de pensar em parar de desenhar qualquer coisa. Mas o feedback dos leitores e a força dos colaboradores é o que me fez voltar e me empolgar.

Ano passado, com minha entrada para o mundo do Twitter, mais uma vez tive um aumento no número de leitores da série e consequentemente uma força extra na produção. Além disso, conhecer e entrar em contato através desta nova rede social com mais quadrinistas que passam pelo mesmo esforço que eu para divulgar seu trabalho me serviu de exemplo para continuar firme e forte.

Quero agradecer aos sites que publicam a série, o MushiComics, o NHQ, o Xcine e o Estúdio Magyluzia e também aos maiores divulgadores da série no twitter, @stephanmartins, @mushisan, @oslevados, entre outros.

E um agradecimento especial a todos aqueles que acompanham a série e comentam em suas páginas! Obrigado!

Tailer #7 no NHQ!

Logo após eu noticiar aqui o aparecimento de Tailer #6 no Top10 de hqs mais baixadas do site NHQ, recebi por email a notícia do lançamento de Tailer #7 neste mesmo site!

Onde Tailer está sendo publicado

Manter a publicação desta série não é fácil, mas com a ajuda de alguns sites Tailer se espalhou e ganhou um maior número de leitores.

Aqui vai a lista dos sites que estão publicando a série, em qual capítulo está e em que formato é publicado.

  • Mushi ComicsCapítulo 9 – Leitura online em formato html/jpeg
  • NHQCapítulo 7 – Download em formato CDisplay Comic Reader
  • XCine – Capítulo 8 – Leitura online em formato Flash
  • Estúdio MagyluziaCapítulo 5 – Leitura online em formato html/jpeg

Tailer #4 no Estúdio Magyluzia

O quarto capítulo da série Tailer acaba de ser publicado em mais um dos nossos websites parceiros, o Estúdio Magyluzia. Confira lá e leia online!

Um pouco sobre o Estúdio MagyLuzia

Há muito tempo…

…Quando a saudosa TV Manchete nem sonhava em apresentar CAVALEIROS DO ZODÍACO, e qualquer um que pedisse um “mangá” numa banca de jornal seria encaminhado a uma barraca de frutas, um grupo de amigos, malucos por qualquer coisa que se parecesse com animes ou mangás (e cansados de ir a tal barraca…), decidiu dar início a um sonho: criar suas próprias histórias, tentando ser o mais profissionais que fosse possível, e levar este trabalho ao maior número de pessoas que pudessem. De lá pra cá, muitas vitórias e lágrimas depois, aqui estamos nós, já com 11 anos de estrada, mas sem esquecer dos sonhos que nos trouxeram até aqui.

O Estúdio Magyluzia, que foi sendo formado durante este processo, foi por assim dizer a reunião de nossos esforços em criar, produzir e distribuir as nossas histórias, principalmente em estilo mangá, mas não apenas neste. E também conseguimos neste processo revelar talentos excepcionais que hoje nos orgulham em participar conosco em nossa empreitada.

Aqueles que nos visitam, sejam bem vindos ao nosso site, e, se você também sonha em transformar as suas idéias em realidade, pode ter certeza que aqui existe uma porta aberta, esperando por você.

Fonte: Estúdio Magyluzia

[Resenha] Lunch Time

Texto por Marcus Beckenkamp

Lunch Time é um mangá que faz parte do fanzine MangáK do Estúdio Magyluzia. Porém, o estúdio deixou várias pequenas histórias online para o povo conhecer e se familiarizar com os personagens.

ecomic-LunchTime01
Takashi, Asuka e Yumiko

Os personagens principais da história são Asuka, a dona de um restaurante muito louco, o pescador Takashi, que é quem fornece os peixes fresquinhos para o estabelecimento e a cozinheira Yumiko, que é uma sereia que foi pescada pelo Takashi e quase virou sopa nas mãos da Asuka.

As histórias disponíveis na internet são curtas, mas da pra sentir o clima desse pessoal e também a qualidade do material. A arte é num estilo mangá simples, mas muito bem dominado.

Vale a pena curtir as aventuras desse pessoal, apesar de ainda serem poucas as hqs disponíveis online.

Lunch Time é de Nilton Simas, que responde à algumas perguntas logo abaixo, e para ler online acesse http://www.magyluzia.com

Palavra do Autor

De onde surgiu a ideia de uma hq sobre um restaurante?

Foi quase por “acidente”. Na verdade, eu queria fazer uma história de humor, tinha feito sempre histórias sérias antes, e não sabia nada sobre o gênero. Quando imaginei qual caminho deveria seguir, veio na minha cabeça a idéia de usar um personagem mitológico que eu sempre quis aproveitar numa história, mas nunca tinha encontrado uma “brecha” pra isso: uma sereia. Mas logo de cara surgiu um problema: como fazer uma sereia ser engraçada? Bom, o que uma sereia faz, afinal? Fica cantando pros marinheiros, atraindo eles para morte? Não era algo muito engraçado…eu sabia que, pra fazer algo divertido, um caminho seria fazer algo inusitado. Então me veio a pergunta, que acabou dando inicio a tudo: o que uma sereia NUNCA faria? Parece loucura, mas na mesma hora a resposta veio na minha mente: COZINHAR!  Lógico, falando assim não faz sentido, aonde essa sereia iria cozinhar? E foi aí que nasceu o restaurante, e já que eu coloquei uma sereia fazendo uma coisa inusitada, porque não continuar com a brincadeira? E ai que eu imaginei a dona do restaurante sendo uma vampira, algo que vampiros não costumam fazer. Pra fazer a ligação entre as duas e completar o time, eu criei o pescador, que levaria a sereia até o restaurante, por acidente . Isso acabou virando o verdadeiro mote da Lunch Time, que é explorar as criaturas mitológicas mais famosas, mas em situações inesperadas. E se o Abominavel Homem das Neves fosse um trabalhador numa construção? Ou uma fadinha trabalhasse no serviço de entregas rápidas? Eu acabei criando uma cidade inteira, chamada M’kay City, onde monstros e humanos vivem juntos em harmonia, como uma extensão desta idéia inicial.

Como foi a criação dos personagens?

Bom, a resposta anterior acabou explicando isso. A sereia Yumiko foi a primeira de todas, e tudo nasceu por causa dela. Um problema visual que apareceu foi com o fato da história se passar em terra firme, não na água. Geralmente, a solução que se usa no caso de uma sereia saindo da água é surgir pernas no lugar da cauda, através de alguma magia. Mas isso acabaria com o “visual sereia” da personagem, que pareceria uma garota comum. A solução foi deixar a cauda, mas acrescentando um detalhe importante, que permite que ela se locomova na terra: a cauda cresce quando está em ambiente seco, e ela desliza igual a uma serpente (similar a uma naga), e volta a encolher quando está na água. Como tudo é meio ao contrário, na mesma medida em que Yumiko é uma das melhores cozinheiras do mundo dentro da história, sua voz ao cantar é terrível, sendo que isso é um trauma para ela, como sereia.

A Asuka foi a personagem mais divertida que eu já fiz, simplesmente não consigo parar de ter idéias com ela. Uma coisa que eu nunca gostei muito nos vampiros como personagens, é que tantas coisas já foram ditas sobre eles que existe pouco espaço pra se criar algo novo. A Asuka nasceu exatamente pra brincar com isso, pois ela é quase uma caricatura dos vampiros mitológicos. Além de não ter problema algum com o sol, e não ser uma morta-viva (ela nasceu vampira),  Asuka se alimenta normalmente, só quando o “nivel” de sangue dela abaixa é que ela precisa sugar um pouquinho de sangue, e claro, isso não transforma ninguém em vampiro. Ela tem alguns dos poderes clássicos, pode virar morcego, névoa e hipnotizar as pessoas, mas nada funciona exatamente como nos filmes e livros, e geralmente, ela acaba quebrando a cara. Aliás, ela adora cultuar essa fama dos vampiros “do mal”, se fazendo de malvada, quando, na verdade, é uma boa pessoa.

O Takashi foi o mais simples de todos, basicamente ele é um orfão que foi criado por um casal de pescadores velhinhos, que ensinaram tudo o que ele sabe. Um belo dia ele se encontrou com Asuka por acaso, que adorou o peixe que ele conseguia pescar, e o contratou. Ele é um humano normal, sem nenhum poder. E, por sugestão de uma leitora, o Takashi acabou ganhado um companheiro, que costuma estar sempre na sua cabeça, trata-se de um ratinho, que nem tem nome, e sempre aparece nas histórias imitando o que o Takashi faz.

Como é desenhar Lunch Time?

É um misto de diversão e desafio. As histórias são sempre fechadas, com começo meio e fim, e isso cria uma série de limitações na hora da criação, uma bela dor de cabeça. E fazer alguém rir pra mim é algo dificílimo. Mas mesmo assim, é o tipo de história que dá gosto de criar. As idéias são tantas que de vez em quando precisamos “puxar o freio”, senão o negócio sai do controle. Não parece, mas é uma história que exige bastante, pois mistura muitos personagens de universos diferentes (humanos, sereias, vampiros, monstros), e a interação entre eles tem que ser harmoniosa. E, ao mesmo tempo, é uma diversão poder desenhar um monstro estilo godzilla com a maior cara de mau….vestindo uma gravata, e indo pro trabalho no escritório!

Uma mensagem aos leitores:

O que posso dizer, é que todo o trabalho, desde os primeiros traços até a finalização no computador, é feito pensando em vocês. Obrigado pelo carinho de todos que é o nosso verdadeiro combustível.

Indique uma webcomic pelo formulário de contato, clique aqui.

Capítulo #2 de Tailer no Magyluzia

Acabei de receber um e-mail do Nilton Simas do Estúdio Magyluzia confirmando a estreia do segundo capítulo da série Tailer na seção de Mangás Online do site deles.

Fico muito feliz com essa parceria que leva minha série ao conhecimento de muitas outras pessoas que não chegaria facilmente ao meu site.

Página do zine MangáK

O site do estúdio vai continuar disponibilizando os capítulos de Tailer mês a mês até alcançar a última publicação disponível, porém é provável que eu já tenha terminado mais capítulos quando isso acontecer.

Fanzine MangáK

Pra aproveitar este post, vou dar um toque sobre o fanzine deles que é de ótima qualidade e já chegou à impressionante marca de seis edições. Pra quem conhece a área sabe que para manter uma revista independente desta maneira é preciso ter muita dedicação e persistência.

Segue abaixo informações sobre o surgimento do zine, retiradas do próprio site do estúdio:

Surgiu em 2003, como uma coletânea dos quadrinhos que produzíamos na época. A idéia da revista é oferecer várias histórias, de generos diferentes e de boa qualidade, sempre fechadas. Assim, o leitor pode adquirir qualquer número que desejar, pois não é necessário ter os anteriores para acompanhar as histórias.

Para ver algumas páginas, detalhes de cada edição e saber onde comprar na sua cidade ou pela internet clique aqui.