Marcadores Copic

Quem me conhece há algum tempo sabe que não sou um cara muito de cores. Adoro ilustrações coloridas, mas nunca tive um dom para trabalhar com elas, e por isso acabei me desenvolvendo mais na parte de arte-final em preto e branco.

Mas de uns tempos pra cá eu estou querendo ultrapassar alguns limites e quebrar alguns paradigmas pessoais. Foi por isso que comecei a praticar com a técnica da aguada e ainda estou louco para conseguir um curso de aquarela!

Então alguns dias atrás eu assisti um vídeo (veja abaixo) de Adam Hughes, um dos meus desenhistas preferidos, onde ele ensinava a trabalhar com os marcadores nas ilustrações. Foi então que acabei me dando de presente de aniversário um kit de marcadores Copic Original com os tons Warm Gray. São doze marcadores que vão de W0 a W10 e mais um “0” que é transparente.

Chegaram neste sábado, logo após o almoço. Foi então que resolvi testá-los e daí saíram estas três ilustrações do começo do post.

O que posso dizer sobre esta experiência é que é muito divertido utilizar os marcadores, fica superfácil trabalhar os tons e as vezes dá até a impressão de voltar à infância, quando coloríamos com canetinhas hidrocor. É uma delícia mesmo!

Bem, ainda preciso me acertar com o scanner para não perder os tons mais claros. Mas vou continuar praticando com estes novos materiais e tenho certeza de que eles vão somar muito à minha arte!

Versões maiores dos desenhos no meu DeviantArt: Ramona Flowers, Casal Aleatório Feliz e Cris 

Materiais

– Papel A4 90g/m² (Ramona)
– Papel A5 180g/m²
– Lápis Austria 160 Cretacolor 2H
– Kit Warm Gray Copic Original

Vídeo de Adam Hughes

Eu li Scott Pilgrim (e assisti ao filme)

Scott Pilgrim CollectionFaz um tempinho que não escrevo na seção Eu Li aqui do blog. Mas vamos lá.

Eu li os três volumes de Scott Pilgrim com grande espaçamento entre o primeiro e o segundo, e assisti ao filme também um tempo depois de terminar de ler o terceiro e último volume da série.

Os quadrinhos

Gostei muito dos quadrinhos de Scott Pilgrim. A cada volume o traço vai melhorando, os cenários e a quadrinização vão ficando mais pró. Mas o que realmente me envolveu nessa série foi a história, que de algum jeito faz com que nos identifiquemos com ela, mesmo que sua vida não tenha nada de vagabundo como a do Scott.

O foco nos relacionamentos (amizades e romances) e na imaturidade do protagonista nestes quesitos prende bastante o leitor, principalmente quando sentimos que lentamente ele vai evoluindo. Cada personagem tem sua personalidade bem marcada e vai evoluindo também a medida que a história avança.

Bem, as vezes tem coisas sem sentido e que, garanto, continuam sem sentido até o final. No meu ponto de vista isso é um dos charmes da hq.

O traço do autor, Bryan Lee O’Malley, é bem interessante. Tem muitas influências do mangá, inclusive na quadrinização, mas ao mesmo tempo tem um estilo pessoal. Eu gostei muito do visual da história desde o começo. As roupas e acessórios de cada personagem ajudam a entender a personalidade de cada um.

O filme

O filme eu assisti ontem mesmo, então ta fresquinho na memória. Eu gostei bastante, mas esperava algo mais parecido com a história da hq, o que não aconteceu… e isso é ótimo!!! Normalmente as adaptações, como o nome já diz, são versões da mesma história adaptadas para outra mídia. No caso de Scott Pilgrim Vs. The World a coisa é diferente.

Primeiramente um único filme não teria como contar a história do mesmo jeito que três volumes (seis no original) de quadrinhos. E outra, o filme foi produzido antes da série em quadrinhos ser terminada, o que fez dele uma história bem diferente, mas nem um pouco menos interessante.

Uma coisa que me chamou a atenção foram as onomatopéias de quadrinhos utilizadas com brilhantismo no filme. Muito legal! Achei a escolha dos atores muito boa também.

Concluindo

Eu recomendo Scott Pilgrim em ambas as mídias citadas aqui neste humilde blog. Vale a pena ler os quadrinhos e assistir ao filme, e não importa a ordem dos fatores neste caso, porque são duas maneiras diferentes de contar a histórias.

Scott Pilgrim Fanart

Essa semana eu terminei de ler a série em quadrinhos Scott Pilgrim e gostei bastante. Para celebrar isso e continuar praticando mais com meu novo material de desenho, fiz esse fanart dos personagens principais da hq.

Pincéis, bico-de-pena, nanquim Winsor & Newton e água da torneira (=P) sobre papel A5 180g/m2. Continuo praticando, né?